Eco Sistemas

Eco SistemasEle é Marcello Pinto, que tem 20 anos de experiência de mercado. Esteve a frente de grandes projetos no Hospital Municipal do Andaraí; na ABBR (Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação); e Hospital Procordis, no Rio de Janeiro. Este último, seu cargo anterior como gerente de TI. 

Formado em Tecnologia de Processamento de Dados, com pós graduação em Gestão de Saúde e Administração Hospitalar. Passou pela montagem dos hospitais Alfa (Recife) e da Bahia (Salvador), desde sua planta. Além de implantações dos maiores players de ERP (Enterprise Resource Planning) hospitalar privado do Brasil e consultoria em Processo Hospitalar e Business Intelligence. Atuou também na ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

Para ele, na combinação tecnologia e saúde, é preciso inovar sempre, acreditar no potencial dos projetos, fortalecer pontos considerados fracos e usar com maestria habilidades natas em busca de excelência. Na ECO, espera agregar valor tanto às operações realizadas pela empresa, especializada em soluções tecnológicas para gestão pública de saúde, como levar boas experiências ao longo de sua vida.

Marcello acredita que o Business Intelligence (BI) é essencial para o sucesso no mercado. Facilidade de uso, tempo de desenvolvimento de projetos, escala e performance são pontos focais. O grande desafio de quem gerencia qualquer processo é a análise dos fatos, que deve ser feita de modo que possa detectar tendências e tomar decisões no tempo correto para garantir retorno sobre o investimento com eficiência operacional. Isso traz a satisfação dos clientes em uma empresa mais competitiva.

“Na Administração Pública, o BI pode contribuir para que as expectativas do cidadão sejam atingidas e os recursos públicos melhor aplicados. As empresas devem olhar BI não como um custo, mas como um investimento que pode dar bons frutos a médio e longo prazo”, analisa.

Na ECO Sistemas, um dos projetos mais importantes que serão assumidos por Marcello é o painel de monitoramento da dengue. A ferramenta, comprada pelo governo do Estado do Rio, utiliza a tecnologia BI que permite mais agilidade no cruzamento de dados diversificados dentro da base corporativa. Com isso, é possível analisar com clareza informações como o número de casos notificados, a taxa de incidência, óbitos confirmados, além da circulação vetorial e do tipo viral em cada município do Rio de Janeiro.

Em 2012, o projeto terá extrema importância para a sociedade, uma vez que é esperada pelas autoridades uma das maiores epidemias da doença. Os resultados divulgados pelo painel são imediatos, num painel de informações de procedimentos e recursos disponíveis, além de uma base de dados de análise da situação atual e para pesquisa, em interface com a vigilância epidemiológica. Os dados do monitoramento podem ser acessados dos computadores ou ipads dos gestores de saúde.