mad dog hall latinoware 2011 encerramento

mad dog hall latinoware 2011 encerramentoFoi com essa afirmação que John ‘Maddog’ Hall, um dos maiores entusiastas do software livre, encerrou a maior edição de todos os tempos da Conferência Latino-Americana de Software Livre – Latinoware 2011. O evento foi sucesso absoluto e acumulou quebra de recordes. Durante três dias consecutivos, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI) foi palco de palestras, workshops, discussões e reflexões sobre a realidade atual e perspectivas futuras sobre o uso de software livre.

Promovida pela Itaipu Binacional, Fundação Parque Tecnológico Itaipu – Brasil, Companhia de Informática do Paraná (Celepar) e Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e patrocínio da Petrobras, Previdência Social, Governo Federal e Banco Itaú, a Latinoware 2011 teve 4.231 participantes inscritos, ultrapassando marcas anteriores.

 “Essa foi a maior Latinoware de todos os tempos. Por incrível que parece, cerca de 50% das pessoas foram novos congressistas. Veio caravanas de lugares que a gente nem imagina que estavam vindo, como do norte do Espírito Santo, que agregou 20 cidades da Bahia. Teve, também, novamente, caravanas do Acre e participantes e palestrantes de 11 países, entre eles a Dinamarca, França, Alemanha, Estados Unidos, Canadá, México, Paraguai, Argentina. Mas, o grande diferencial da Latinoware 2011 foi a qualidade da grade de palestrantes”, destacou Marcos Siríaco, um dos coordenadores da Latinoware.

mad dog hall latinoware 2011 encerramento

Passaram pelos palcos da Latinoware deste ano nomes renomados como Jon “Maddog” Hall, um dos criadores do sistema operacional Linux; Rasmus Lerdorf, criador da linguagem de programação PHP; Dries Buytaert, criador do Drupal, plataforma livre para websites; entre tantas outras personalidades do software livre nacional e mundial. Ao todo foram mais de 150 palestras, e uma média de 30 minicursos.

Durante a palestra de encerramento da Latinoware 2011, John ‘Maddog’ Hall, presidente da Linux International Fundation, falou sobre os vinte anos da Linux e sobre as perspectivas de futuro e afirmou que o Brasil é referênciano uso de ferramentas de códigos abertos. “Eu acredito que o Brasil, em aceitação de pessoas e do Governo Federal, é primeiro do mundo”, enfatizou. Além disso, diversas atividades paralelas aconteceram durante a Latinoware 2011, como o Showroom Tecnológico, organizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que reuniu exposição de serviços oferecidos por empresas parceiras do Sebrae, assim como palestras e apresentações.

mad dog hall latinoware 2011 encerramento

A Latinoware abrigou um espaço de exposições, Laboratório de Robótico, e conferências organizadas pela comunidade Drupa, Mozilla, Conferência Internacional e-Health em Economias Emergentes – IWEEE e um encontro latino-americano de autoridades governamentais para discussões sobre o uso do software livre no governo e na rede pública de ensino.

Durante a Latinoware também foi anunciada a criação Núcleo de Desenvolvimento de Software Livre, com sede no PTI. Nos próximos seis meses, profissionais de informática da região da tríplice fronteira serão treinados para se tornarem desenvolvedores de softwares livres. O órgão será coordenado por profissionais do PTI, da Itaipu e da Associação Libre de Tecnologia Abertas (Alta).

mad dog hall latinoware 2011 encerramento

Sustentabilidade

Latinoware 2011 teve o seu lado ecologicamente correta. Utilizando E-take um aparelho – que foi distribuído por empréstimo – permitiu que os participantes trocassem informações entre si e ainda recebam, por e-mail, materiais de divulgação das empresas presentes nos estandes da conferência. A inovação foi desenvolvida por um consórcio de empresas incubadas do PTI (Apollo TI/Logic TI, Neoautus, Simplex, Palmares e Educare) e teve como objetivo a ampliar a interatividade dos participantes, além, é claro, da contribuição com a preservação do meio ambiente.

“Para a edição de 2012 queremos reduzir em 80% o uso de papeis, plásticos, banners e se tornar uma Latinoware mais sustentável, utilizando, cada vez mais, soluções e dispositivos digitais, pois todo mundo hoje em dia tem um smartphone”, adiantou Marcos Siríaco.

Em números, a Latinoware 2011 produziu 74 toneladas de Dióxido de Carbono (CO²), incluindo dados levantados desde o pré-evento até a data de encerramento da conferência. A medição é feita por meio do cálculo de transporte de participantes e palestrantes, energia elétrica, consumo de água e material de divulgação. A partir dessa quantificação, a Palmares Geoprocessamento e Análise Ambiental, uma das incubadas no PTI, vai elaborar um plano de redução e um de compensação das emissões, que é feita por meio do plantio de árvores nativas. “Serão plantadas mudas de árvores do Refúgio Biológico Bela Vista, em locais de restauração de áreas degradadas” explica Gihan Teixeira Jebai, diretora de projetos da Palmares.