Submundo da Internet

Submundo da InternetNo Silk Road, todo comércio é possível. Esse grande mercado na internet vende vários tipos de droga (de haxixe do Marrocos a cocaína da Holanda e cogumelos dos EUA), remédios controlados, equipamentos para hacking e espionagem, joias falsas, pacotes de conteúdo pornográfico.
“Internet profunda” abriga de dissidentes a pedófilos
Site Silk Road usa moeda virtual que protege identidade de doador
Para usuário, mercado resolve problema atual…

Criado há dois anos, o serviço é investigado pela polícia dos EUA, mas continua no ar porque está escondido na “deep web”, a internet profunda, espaço da rede só acessível usando o Tor, um browser para navegação anônima.

Nele, os sites têm endereços cifrados e não podem ser encontrados por mecanismos de busca tradicionais, como o Google.

Ao todo, o Silk Road movimenta cerca de R$ 2,4 milhões por mês, segundo Nicolas Christin, da Universidade Carnegie Mellon (EUA), autor do primeiro estudo sobre o site.

Concluída em julho do ano passado e revisada em novembro, a pesquisa mostra que a maioria dos vendedores comercializa poucos itens, que as entregas são feitas por correio e que drogas são o carro-chefe. Em entrevista, Christin explica o que isso significa: “O Silk Road concorre com o traficante da esquina, não com grandes cartéis”.

Com 14% dos itens à venda, a principal categoria é maconha, inclusive em volume de negócios. “Suspeito que o site não seria viável se não comercializasse esse tipo de produto”, diz Christin, diretor-associado do Instituto de Informação em Rede da universidade.

Na “web da superfície”, como usuários da “deep web” chamam a internet comum, há poucas menções ao Silk Road. A ideia é manter o mistério: quanto menos atenção chamar, melhor. Questionado pela Folha, o responsável pelo site limitou-se a dizer: “Desculpe, temos uma política de não falar com a imprensa”.

O pseudônimo usado pela pessoa -ou pelo grupo- por trás do site é Dread Pirate Roberts, personagem do romance “A Princesa Prometida” (1973), de William Goldman. No livro, Roberts não é só um pirata, mas vários, que repassam a alcunha uns aos outros em uma sucessão criminosa.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo – http://www1.folha.uol.com.br