kill pc

kill pcChips podem ter se tornado tão rápidos que mesmo os mais antigos são o suficiente para a maioria dos usuários, reduzindo a necessidade de upgrades.

Embora os rumores da morte do PC sejam um grande exagero – uma indústria que comercializou mais de 350 milhões de unidades em 2012 não está “morta” – não há dúvidas que que os computadores pessoais não vendem tão bem quanto antes.

 Os analistas ainda prevêem que as vendas de PCs irão exceder em muito as de tablets num futuro próximo, mas a taxa de crescimento nas vendas é praticamente nula. A grande pergunta é: porque?

Há algumas teorias nas quais a sabedoria popular se baseia. Muitos culpam a estagnação nas vendas de PCs em uma economia igualmente estagnada, ou apontam para a ascensão dos smartphones e tablets. Outros argumentam (de forma persuasiva) que o pouco crescimento pode ser atribuído às idiossincrasias do mercado de PCs nos países em desenvolvimento, onde os computadores são um item “de luxo” raramente substituído. Segundo os analistas, uma “segunda onda” de vendas ainda está por vir nestes países.

Assim como a maioria dos setores econômicos, o mercado de PCs é influenciado por uma enorme quantidade de fatores, e há um pouco de verdade em todas as três explicações. Mas entretanto, após observar minha sogra alegremente usando o Facebook e enviando e-mails em um PC de quase 10 anos com um processador Pentium 4, uma possibilidade mais insidiosa me veio à mente.

Será que o desempenho dos processadores atingiu um nível “bom o suficiente” para a maioria dos usuários alguns anos atrás? Seriam estas máquinas mais velhas ainda boas o bastante para completar as tarefas do dia-a-dia de uma pessoa comum, reduzindo o incentivo para um upgrade?

“Antigamente era necessário substituir o PC após alguns anos ou você ficaria muito para trás. Se não fizesse isso, não conseguira nem rodar as versões mais recentes de seus programas”, diz Linley Gwennap, principal analista do Linley Group, uma empresa de pesquisa focada em semicondutores e microprocessadores. “Agora você pode manter o mesmo PC por cinco, seis, sete anos sem problemas. Sim, ele pode ser um pouco lento, mas não o bastante para atrapalhar o uso diário”.

Fonte: www.idgnow.uol.com.br

Matéria na Íntegra:
http://idgnow.uol.com.br/ti-pessoal/2013/03/11/afinal-o-que-esta-201cmatando201d-o-pc-dica-nao-e-a-mobilidade