def

defExoesqueleto Mindwalker lê os sinais da mente ou os movimentos do ombro para movimentar as pernas do sistema.

A medicina ainda não conseguiu criar uma cura que permitisse às pessoas paralisadas por lesão na coluna voltar a andar, mas a tecnologia não está muito longe de pelo menos oferecer uma solução para o problema. Já está saindo do papel um sistema chamado Mindwalker, uma tecnologia controlada pela mente que possibilitará que os paraplégicos caminhem.

O projeto é responsabilidade de uma equipe de pesquisadores belgas e tem como objetivo ‘colocar em pé’ novamente aqueles que não tem outra opção que não seja utilizar uma cadeira de rodas. Ele reconhece os sinais eletroencefalográficos do cérebro (EEG) ou os sinais eletromiográfico dos movimentos muscular dos ombros (EMG) para transformar estes impulso em movimento para as pernas robóticas que auxiliam a pessoa a andar.

A primeira alternativa lê os estímulos cerebrais para ativar comandos como “parar”, “caminhar”, “mais rápido” ou “mais devagar”. Já o segundo modelo utiliza a coordenação natural braço-perna dos humanos enquanto caminham para contralar as pernas do exoesqueleto.

Os pesquisadores precisaram trabalhar com um método menos invasivo para captar os sinais cerebrais. A maioria das interfaces cérebro-computador requerem eletrodos em contato direto com o tecido do cérebro ou utilizar uma touca com gel. Estas técnicas são eficientes, mas pouco práticas para o dia-a-dia. Por isso eles utilizaram uma tecnologia ‘seca’, desenvolvida em Berlim, que utiliza uma espécie de touca repleta de eletrodos, que pode ser colocado pelo próprio indivíduo.

“O ‘chapéu’ seco pode ser colocado pelo próprio sujeito em sua cabeça em menos de um minuto, como uma touca de natação”, afirma Michel Ilzkovitz, coordenador do projeto.

O projeto vem sendo desenvolvido há três anos e teve o apoio de 2,75 milhões de euros (cerca de R$ 7 milhões) da Comissão Europeia.

Fonte: www.olhardigital.uol.com.br