titulo

titulo

De acordo com o Mossack hackers invadiram os sistemas, e de acordo com os especialista o servidor de email foi invadido. Os Documentos do Panamá são uma coletânea de documentos estritamente confidenciais da firma panamenha de direito Mossack Fonseca, que foi vazada online durante o fim de semana e é o maior deste tipo até o momento.

O arquivo completo da firma possui mais de 11,5 milhões de arquivos, que também incluem 2.6 Terabytes de dados relacionados a atividades de empresas de fachada usadas pelas pessoas mais poderosas ao redor do planeta, que incluem 72 atuais e ex chefes de estado.

Esse tipo de serviço pode ter sido usado para evasão de impostos, mas a Mossack Fonseca esclarece que muitos de seus clientes não estavam violando a lei e que os serviços oferecidos pela firma são legais. Os Documentos do Panamá é um caso que expõe as atividades estrangeiras de centenas de políticos e figuras públicas ao redor do mundo. Embora se especule sobre Vladimir Putin, o nome deles não aparece nos documentos vazados.

De acordo com a Bloomberg, Ramon Fonseca, co-fundador da firma Mossack Fonseca, confirma ao canal 2 do Panamá a autenticidade dos documentos vazados. Os Documentos do Panamá foram compartilhados com o jornal alemão Suddeutsche Zeitung por uma fonte anônima e o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). Os jornalistas do ICIJ investigaram os documentos por um ano inteiro e agora estão revelando os seus achados desconcertantes.

Os Documentos do Panamá incluem emails, registros de banco, e gravações, mas como foi possível obter esses dados? Quem é a fonte anônima e como essa pessoas conseguiu obter os dados do computador da Mossack Fonseca? De acordo com Ramo Fonseca, os arquivos confidenciais foram obtidos ilegalmente por hackers, e possivelmente, o comprometimento da informação se deu em um servidor de e-mail afetado da companhia, no ano passado. A agência de mídia El Espanol confirmou essa hipótese, que a firma Mossack Fonseca enviou um e-mail para os seus clientes confirmando que está investigando a causa da falha de segurança, e que está tomando todos os passos necessários para prevenir outra ocorrência.

O El Espanol relata: “Essa firma, que é considerada a maior plataforma de chefes de estado da América Latina e que possui um vasto portfólio de clientes Espanhóis, disse em uma declaração que instaurou uma investigação após confirmar que “infelizmente” sofreu um “ataque ao servidor de e-mail”. O ICIJ identificou mais de 214,000 organizações para um volume total de negócios de diversos bilhões de dólares. Segue para os prezados leitores o site do ICIJ para leitura na integra de alguns documentos:

Fonte: Securityaffairs e PanamaPapers